Between the Buried and Me – The Great Misdirect

1. “Mirrors” 3:38
2. “Obfuscation” 9:15
3. “Disease, Injury, Madness” 11:03
4. “Fossil Genera – A Feed from Cloud Mountain” 12:11
5. “Desert of Song” 5:34
6. “Swim to the Moon” 17:54

The Great Misdirect foi provavelmente o álbum mais aguardado de 2009 pelos amantes do death metal progressivo. O motivo dessa ânsia descomunal se dá pela consciência dos fãs de que o Between the Buried and Me é uma das poucas fontes de pura criatividade e exuberante técnica no cenário não apenas do metal, mas da música como um todo. Meu sincero receio em relação ao sexto trabalho de estúdio da banda dava-se pela suspeita de que o mesmo não seria superior ao full-lengh anterior – Colors – que, em minha opinião, já havia alcançado a perfeição.

Bem, para a felicidade da nação, eu estava enganado.

Com uma qualidade técnica indiscutivelmente aprimorada, The Great Misdirect, que conta apenas com seis faixas, introduz a trama com “Mirrors“, um calmo e melódico space rock com entonações puxadas ao jazz tradicional sem instrumentos de sopro. A parte b) é denominada “Obfuscation“, cuja letra relata a evolução humana e seus critérios de dominação, contando com uma musicalidade que varia do deathcore ao blues, passando inclusive por um dueto de guitarra e baixo.

Mas é em “Disease, Injury, Madness” que começamos a perceber o quão fantástico o álbum é. Confie em mim: é impossível não colocar em “repeat” após a primeira audição, pois, entre seus atributos há partes pesadas, psicodélicas, dois solos de guitarra fantásticos e um solo de baixo indescritível, onde até a onomatopéia produzida por cavalos torna-se sensacional. Uma das melhores músicas da banda até a data, sem dúvidas.

A sequência em “Fossil Genera” é avassaladora: a ironia embutida nos teclados e vocais de Tommy Rogers e nos assovios do guitarrista Paul Waggoner trazem uma sensação única à lá circo dos horrores com algo mais místico.

Desert of Song“, penúltima faixa do álbum, conta apenas com violões, vocalizações melódicas e uma bateria acústica, sendo uma balada que serve para acalmar os ânimos dos que ouvem. Inclusive, ela tem um quê da Shevanel Take a Flip do álbum Silent Circus.

Os quase 18 minutos (sim, não há erro de digitação) da épica “Swim to the Moon” são revestidos com um solo de guitarra magnífico de 5 minutos de duração, violões à lá faroeste, vocais avassaladores, enfim, algo além do imaginável.

Sim, é bem verdade que The Great Misdirect seguiu a teoria do Colors, mas é inegável que ele foi além do horizonte de sua moldura. Entre apitos, relinchos, assovios e riffs históricos, o Between the Buried and Me consagrou um rebento que é candidato a melhor álbum da década. Se alguns podem falar que foram da época de Metallica, Iron Maiden ou Deep Purple, nós podemos garantir, com todos os dentes na boca e orgulho, que “somos da época do Between the Buried and Me”.

Para acessar o myspace da banda, clique AQUI.
Para fazer o download do álbum via torrent, clique AQUI.

Por Italo Lins
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s