Atividade Paranormal

Sinopse:

Apresentado em forma de documentário, Paranormal Activity conta a história de Katie Featherson (Katie Featherson) e Micah Sloat (Micah Sloat), um jovem casal que muda de residência com sua câmera de alta-definição para tentar captar atividades sobrenaturais. Partindo do pressuposto de que assombrações realmente existem, durante as gravações fatos estranhos começam a acontecer – as principais cenas são enquanto o casal está a dormir. Então, munidos de jogos do além, a dupla mantém contato com o desconhecido, não imaginando quão perigosa poderá ser essa curiosa brincadeira.
Crítica:

Considerado o melhor filme de suspense do ano de 2009, Paranormal Activity foi um recorde de bilheteria nos Estados Unidos e na Europa, embora eu considere uma tremenda supervalorização deste trabalho.

É evidente que, assim como visto no espanhol REC, qualquer filme em estilo documentário – com o uso de câmeras essencialmente caseiras – tem uma maior proximidade com a realidade. Neste galho é onde Paranormal Activity se agarra firmemente, junto às atuações que beiram ao real e cenas que prendem a atenção do expectador (as cenas são lentas e abrem espaço para a imaginação, por não serem explícitas).

E são apenas esses os pontos positivos.

O roteiro é extremamente clichê, os diálogos apegam-se basicamente à questão dos espíritos, e não há cenas de susto. Isso mesmo, não há. Na verdade, o que é transmitido é um clima de grande tensão, já que a cada segundo é esperado uma aparição repentina de algo, mas nada acontece, já que não há efeitos especiais no filme – apenas um liga-desliga de lâmpadas, sombras atravessando portas e ventinhos soprando por debaixo das cobertas.

O clímax ocorre nos últimos dez minutos – embora apenas assistindo ao trailer acima você possa ter noção das melhores partes do filme – e de uma maneira muito corrida. Ao invés de aprofundar-se nos acontecimentos, apenas a visão da porta do quarto é exibida, frustrando os ânimos da platéia.

Sou assumidamente cético em relação à atividades paranormais. Acredito, seguindo uma linha de pensamento kantiana, que a interpretação humana do mundo baseia-se apenas nos cinco sentidos, sendo a confirmação do sobrenatural algo de difícil confirmação. E ao contrário, a mesma coisa: não é porque não sentimentos com o corpo esses elementos que podemos confirmar a não-existência deles. Embora haja teorias que sustentam a afirmação do nosso contato com o mundo extrerior através da glândula pituitária.

Paranormal Activity conseguiu ser um marco na história do cinema. Não pelo roteiro nem pela inovação, mas pelo fato de ter sido o filme independente que alcançou o maior lucro computado, já que foram investidos 15 mil dólares para a produção, e 150 milhões vieram em retorno: isso sim, é sobrenatural.
Para fazer o download do filme via torrent, clique AQUI.

Por Italo Lins

Advertisements

One thought on “Atividade Paranormal

  1. Hum, não sei.
    Se o clima de tensão for envolvente o suficiente, talvez não seja nem necessários outos artifícios cinematográficos. Mas aí só vendo 😀
    E eu acho que a divulgação desse filme foi muito bem feita, o que deve ser um dos principais motivos de ele ter retornado com tanto dinheiro.
    E eu sou plenamente divergente com relação à atividades paranormais. Há, óbvio, trocentos bilhares de pilantras escrotos, mas esses estudos com a glândula pituitária são interessantíssimos. Além do que, isso dá toda uma nova compreensão a cerca da própria psicologia e, principalmente, na psiquiatria. Imagina, supondo que isso exista, quantos pacientes já foram tratados com psicoses, quando, na verdade, tinham problemas “sobrenaturais”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s