Os Números da Guerra

Aproveitando o feriado prolongado, durante uma conversa sem muitas pretensões filosóficas, um amigo pessoal de longas datas resolveu me mostrar este site. A matéria relatada trata do brutal investimento de certos países na indústria bélica. Em outras palavras, a indústria do armamento militar.

Acredito não é uma surpresa o fato dos Estados Unidos estarem liderando o ranking dos gastos em armas; por mais que os 607 (seiscentos e sete) BILHÕES de dólares anuais sejam parte de uma cota elevada. Se torna ainda mais evidente o alto valor do investimento quando comparamos aos outros países, pois, há uma diferença de 546 (quinhentos e quarenta e seis) BILHÕES de dólares em relação à segunda colocada, a República da China.
Entretanto, sendo o mais objetivo possível, se formos analisar os valores dos investimentos em armamentos baseados na percentagem do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país, percebemos que não é um absurdo, por parte dos Estados Unidos, os 4% sugados pelo governo. É deprimente observar que países asiáticos os quais estão passando ou passaram recentemente por guerras civis como Myanmar, Jordânia e Geórgia – este é considerado país Europeu e passou por conflitos contra a Rússia, estão levando a indústria bélica a sério.

Em relação ao número de militares, a China obviamente lidera o ranking por ser um território habitado por quase 2 bilhões de pessoas (sim, atualizem seus livros de geografia humana).

E em uma proporção, para cada 100.000 (cem mil) habitantes, na Coréia do Norte (a comunista), há 24.728 (vinte e quatro mil, setecentos e vinte e oito) pessoas que estão aptas a participar de guerras no papel de soldados, reservistas ou paramilitares.

Com um pouco de interpretação de gráficos, é possível retirar mais informações das imagens acima. Porém, o meu objetivo é mostrar que outros países estão investindo fortemente em armamentos, mesmo que muitos deles, para utilização interna em guerras civis. Por mais que os números estejam mostrando que os Estados Unidos investem uma parcela razoável de seu PIB em armamentos, não deixa de ser um absurdo a quantia utilizada para tal fim; o que nos faz concluir que, além de gerar lucros absurdos, a indústria militar tem como objetivo a manutenção ou até mesmo a ampliação deste cenário de caos constante.
E até não sei se alguém chegou a se perguntar: e o Brasil, onde fica nessa história? Posso dizer com consciência que, quando projetamos perante a América Latina, o único grande embate poderia ser contra a Venezuela de Hugo Chavez (que por questões internas e externas, tenta amedrontar os Estados Unidos), mas e perante o mundo? Bem, eu fico feliz em saber que não há tanto investimento em armas e que a política externa feita pelo nosso presidente é um meio saudável de se resolver a questão, já que não somos um país preocupante em termos imperialistas. Mas, como todos sabem que somos um país rico, por que não há investimentos maciços em educação e saúde, já que a nossa prioridade não é militarmente defensiva?

As imagens são traduzidas em números e é assim que a matemática funciona. Mas, no mundo no qual vivemos, é necessário ter uma visão crítica, relativista e humanista da situação. Na matemática, duas pessoas e um prato de comida resultam em meio prato de comida para ambos os humanos. Na realidade, duas pessoas e um prato de comida ocasionam em uma pessoa saciada e outra morta pela fome. Pense nisso.

Por Italo Lins
Advertisements

3 thoughts on “Os Números da Guerra

  1. O lastro econômico do tutor mundial é sua própria moeda SEM LASTRO ECONÔMICO, assim é facil arranjar orçamento pra manter o que eles mantem, até pq depois da guerra ficou uma mão estendida em forma de dollar pra todo mundo, então depois é só administrar tensão e conflitos e fazer o mundo pensar que o bagulho é civil, através de poder de consumo mal distribuido e tv pra dar a largada.

  2. “então depois é só administrar tensão e conflitos e fazer o mundo pensar que o bagulho é civil” pois é meu, amigo! você acabou de desvendar o enigma proposto pelo meu texto.

    A questão é justamente essa: jogo de aparências.

    Essa informação, do site o qual retirei, se você perceber, é à favor do investimento dos Estados Unidos na indústria bélica. Talvez não seja uma apologia em si, mas, com certeza, uma justificação que tenta ser coerente perante os números (oras, quem vai duvidar de números?!). Se você souber um pouco de inglês e se importar de ler o que está escrito, irá facilmente perceber que o que eles querem passar com o texto é a mensagem: “sim! 600 bilhões ao ano é um valor extremamente alto! mas ah, cara! são só 4% do nosso PIB! veja o que OS OUTROS estão fazendo, nós não somos tão perversos assim!”

    Entretanto a grande questão você acabou de resolver: para manter um investimento nessa indústria tão lucrativa, mandar excedente de população (soldados) pra outros lugares, e ainda explorar terras alheias, vamos causar guerras civis! “afinal de contas, esses judeus e comunistas são brigões mesmo!”

    Nós estamos vivendo uma neo-cruzada, cara! Só que ao invés de motivos religiosos, são políticos! Tudo não passa de aparências nesse cenário; e nele, querem que sejamos apenas meros figurantes.

    “E estamos roendo a corda com muito prazer.”

  3. 600 bilhões ao ano é um valor extremamente alto! mas ah, cara! são só 4% do nosso PIB! veja o que OS OUTROS estão fazendo, nós não somos tão perversos assim!”

    ………………………………………….
    Sem contar que assim como dinheiro faz dinheiro, arma faz arma, daí se um missel é devastador, é sinal que vai ser um sucesso de vendas pra novos lideres tensos.
    E quando dizemos outros paises, não podemos esquecer que os eua dão verba pra israel tbm, que coincidentemente tem um exercitozinho pra lá de irado.
    Fooora, aquelas verbas invisiveis a fiscalização de qualquer instituição, que é tipo os atos secretos de lá, só que esta verba não é pra funcionário vagabundo, essa é pra generais beeem ativos.
    E pensando até sem malicia dessa vez, dá pra perceber sem muito esforço, que os porcentos de todos os paises que vão pra guerra, não são nada menos que injeção na economia americana, que desenvolve armas a todo vapor e logicamente as vende e não só os 600 bi interno como a metade do que está fora tbm é americano.
    Ou seja, os outros fazem o que fazem com os restos de polvora que caem do missil apontado pra qualquer um que chamar o EUA de feio.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s