Cegueira, percepções e evolucionismo

Mesmo que o principal tema do conto de H.G. Wells The Country of the Blind não seja biologia, o enredo é profundamente fundamentado nesse campo da ciência, especialmente no evolucionismo¹. De todo modo, a força adptativa² não vale apenas no campo biológico, mas também no cultural. Portanto, os cegos criaram seus próprios mitos, baseados em seu entendimento do mundo; através disso, nós podemos entender o papel da ficção científica em nossas vidas.

Capa feita por Alan Pollack

Wells explica a evolução dos cegos nas montanhas de acordo com as leis da força adaptativa³, à medida que nos mostra qual a interpretação de seu mundo é. Com isso, alguns conceitos que os cegos da história de Wells adaptaram para seus sentidos restantes podem ser associados a conceitos que pessoas videntes possuem – como céu e conhecimento. Portanto, nós entendemos que a cultura é uma consequência de e limitada pela nossa capacidade de perceber estímulos externos.

Nós podemos entender isso melhor através da filosofia de David Hume. Ele argumenta que nós podemos apenas conferir sentido ao mundo através da interpretação de nossas percepções. As percepções podem se dar de duas formas: 1) de impressões, que são as percepções mais vívidas, em grande parte aquilo que os nossos sentidos trazem ao nosso cérebro e 2) as ideias, que são percepções menos vívidas. Logo, toda o nosso conhecimento é baseado um um grande arcabouço de crenças muito confiáveis, pois elas são apenas confirmadas por nossas impressões, não pura percepção. Nós podemos dizer que nos é impossível ter contato com a percepção pura. Como consequencia, a criatividade humana possui as faculdades de compor, transpor, aumentar e dimiuir todos os dados lembrados para criar o arcabouço de crenças que entendemos como conhecimento.

Hume na época do instagram

De fato, os cegos acreditam que todo o universo é o buraco no qual estão. O céu, em vez de um lugar bonito, é um teto incrivelmente macio. Bonito e macio são conceitos equivalentes, mas que se relacionam a sentidos diferentes, a sensações distintas. Por isso, nosso conhecimento e mitos são adaptados e limitados às nossas impressões. Portanto, ficção científica existe para nos ajudar a tentar entender novas tecnologias – aliás, novas impressões que acabamos por acreditar quando uma nova perspectiva nos é oferecida.

¹ Eu não quis entrar na discussão de termos mais específicos, então vamos entender evolucionismo como o resultante dos trabalhos de Darwin e Lamarck

² Esse conceito é especificamente de Lamarck

³ Ambas a primeira lei – que leva em consideração indivíduos – e a segunda – com relação à gerações

⁴ “(…) eles acreditavam que o fim das pedras (…) era de fato o fim do mundo.”
“(…) o teto da caverna era incrivelmente macio de tocar.”

⁵ Um filósofo escocês do século XIX. Todas as ideias aqui apresentadas podem ser encontradas em An enquiry concerning human understanding

While the main theme regarded by Wells on The Country of the Blind may not be biology, the story is deeply rooted in this field of science, especially in evolutionism¹. Nevertheless, the adaptive force² does not stand just for biological issues but social and cultural as well. Therefore, the blind have created their own myths based on their understanding of the world; through that we understand the role of science fiction in our life.

Wells explains the evolution of the blind in the mountains following the laws of adaptive force³, as he shows us what their interpretation of the world is⁴. By that, we are able to associate some concepts that they have adapted to their senses with some we understand in our world – such as heaven and knowledge. Therefore, we understand that culture is a consequence of and limited by our capacity to perceive outside stimuli.

We can better understand this through David Hume’s⁵ philosophy. He argues that we can only make sense of the world through impressions, which are the interpretations of perceptions – which is what our senses brings to our brain. Thus, our whole knowledge is based on a large set of very much reliable belief, for they are only confirmed by impressions, not pure perception. We could say we cannot be in touch with a pure perception. As a consequence, human creativity has but the faculties of compounding, transposing, augmenting, or diminishing available data to create the whole set of belief we come to understand as knowledge.

Indeed, the blind assume the whole universe is the pit they are inside of. The heaven, rather than a beautiful place is an exquisitely smooth roof. Hence, our very knowledge and myths are adapted and limited to our impressions. Therefore, science fiction exists to try to make us understand the new technologies; rather, the new impressions we come to believe when a new scenario is set to us.

¹ In order to avoid discussion about more specific terms we shall understand evolutionism by the combined works of Charles Darwin and Jean-Baptiste Lamarck.

² This concept was developed by Lamarck.

³ Both the first law (regarding individuals) and the second (regarding generations).

⁴ “(…) the end of the rocks (…) was indeed the end of the world.”, “(…) the cavern roof was exquisitely smooth to the touch.”

⁵ A Scottish philosopher that lived on the 19th century. All the ideas thereafter presented can be found on An enquiry concerning human understanding

Advertisements

One thought on “Cegueira, percepções e evolucionismo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s