O Mito de Noé

Por mais estranho que possa parecer para nós do mundo ocidental, a religião cristã tem, também, sua mitologia: símbolos, heróis e mitos. Apesar disso, desde a morte de Deus, esse repertório simbólico permaneceu quase intocado pelos storytellers enquanto mito. Noé, entretanto, decidiu vasculhar esse baú e ressignificar uma mitologia cujo sentido tem sido desgastado.

Aronofsky se propõe a testar o que pode fazer como épico, sem abandonar o thriller psicológico que executou com primor em Cisne Negro; em muitos sentidos, esse filme são dois em um. Parece não ser por acaso que o filme passe da água para o vinho; a dualidade está presente em todos os seus aspectos. Portanto, Noé é um bom mito e um filme ruim.

Se você ainda não assistiu ao filme, não recomendo a leitura do texto. Spoiler alert.

Untitled-1 Continue reading “O Mito de Noé”

“Restore Now”, de T. Hirschhorn: a arte como arma

Parece-me que a arte contemporânea se tornou um evento estético e político do qual ninguém pode se esquivar. Se, de um lado, desde A Fonte de Duchamp, tudo que é exposto num contexto de galerias e museus se tornou arte – o que culminou na relativização do próprio conceito de arte -, do outro, os artistas obtiveram uma autonomia inegável na produção de artefatos e na realização de performances que excedem até mesmo o espaço museológico. Thomas Hirschhorn, artista plástico suíço, certamente está ciente do espírito do nosso tempo, e foi em julho do ano passado, em uma visita ao museu de Inhotim, que eu tive a oportunidade de conhecer a sua instalação de Restore Now.

Eu desejava escrever sobre Restore Now desde o meu primeiro contato com a obra mas, se me permitem a franqueza, o meu desejo estava mais vinculado à tentativa de expurgar a angústia gerada por esse contato do que realmente à arguição do problema apresentado por Hirschhorn. Como não costumo fugir dos meus temores pela porta dos fundos, eu esperei alguns meses para que pudesse, ao invés de cicatrizar as feridas causadas pela exposição, absorver este trabalho como parte da minha experiência artística. Em suma, Restore Now se tornou um marco para mim: foi depois de ser literalmente atropelado por esta composição que eu senti o poder esmagador da arte contemporânea.

Continue reading ““Restore Now”, de T. Hirschhorn: a arte como arma”