“Até o fim da queda” de Ivan Mizanzuk

O demônio tem muitas faces. Ivan Mizanzuk também.

“Até o fim da queda” não é uma leitura convencional; não poderia ser, vindo de um bacharel em Design, mestre em ciências da religião, doutorado de tecnologia com ênfase em Design a caminho. Você é jogado no universo do escritor Daniel Farias, que conversa sobre o lançamento de seu último livro, que levou muitos jovens ao suicídio. Mas não só nesse universo.

A narrativa de Ivan é multifacetada, multivocal; constituída por recortes e fluxos de diálogos, cartas, documentos, ilustrações, notícias, comentários de sites. Essa, parece, é uma característica de sua visão de mundo e do nosso século: é necessário atenção para juntar as partes difusas de uma realidade caótica. As várias linguagens e meios de nos envolver na narrativa é, para mim, o ponto forte desse romance; o autor-designer tratou com muito cuidado o projeto gráfico do livro, também uma ferramenta de storytelling.

Toda essa contemporaneidade não exclui os dilemas humanos, interpretados pela lente do misticismo (na melhor acepção da palavra) que atravessa eras, por personagens que—se não são— poderiam existir em várias épocas da história. Ele parece entender bem o mindset de cada um sem cair em clichês. Por exemplo, ao falar da Idade Média: quem vivia naquela época, possuía crenças religiosas que fundavam a realidade; aquilo era real, por mais ingênuo que pareça quando olhamos a distância de séculos.

O que está nas entrelinhas o tempo inteiro é o autor. Talvez por ouvir a alguns anos o seu podcast e lhe conhecer—como dizer que conheço alguém que apenas ouço?—, acho possível entrever-lhe nos falando em todas as vozes, com o véu de todos os personagens. Isso faz do livro, em alguns trechos, bem didático, que seria uma crítica plausível—inclusive uma que ele próprio faz a filmes.

Ainda assim, nada é claro, nada é óbvio. Ele nos dá o que gosta de ter: o leitor tem um papel fundamental no que é o livro. O inefável está sempre rondando a narrativa, sempre nos tornando mais humanos, sempre nos levando, de novo e de novo, à queda.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s