Soul carne

Francis-Bacon-Three-Studies-for-a-Portrait-of-Lucian-Freud-2

Essa é mais uma daquelas postagens que vai precisar ser reescrita, já que nunca li algo sobre a carne. Eu sei que tudo está logo ali: A lógica da sensação do Deleuze, ou O visível e o invisível do Merleau-Ponty, é só buscar. Mas nunca os li, e sei que em instantes vou dormir, amanhã cedo vou acordar e, quando for reler esse texto num final de tarde, vou desejar que ele fosse notas numa folha de papel, para que eu pudesse amassá-la e jogá-la no lixo. O que muda, na verdade, é que esse vai ser o meu primeiro texto sobre o assunto, e agora existe uma historiografia, uma marca, um caminho que vai me levar a algum lugar – mesmo que ele acabe aqui como um rastro medíocre.

Continue reading “Soul carne”

Advertisements

Andrew Wyeth – Christina’s World

16.1949

Antes de começar a ler esse texto recomendo que você tire alguns minutos para visualizar a pintura acima. Olhe, sinta, interprete por conta própria. A sua interpretação da obra será tão válida quanto a minha, uma vez que não nego que a minha leitura de Christina’s World é altamente idiossincrática (e, convenhamos, a sua também será).

Continue reading “Andrew Wyeth – Christina’s World”

Retorno ao Animus Mundus

Eu criei o blog Animus Mundus em meados de 2009, aos 18 anos, antes mesmo de iniciar a graduação em Filosofia, no Recife, minha cidade natal. A minha intenção, ao criar o blog, era a de escrever sobre assuntos sobre os quais eu tinha pouco domínio, uma vez que estava disposto a experimentar coisas novas, me forçar a pesquisar sobre um tema específico, refinar os meus argumentos e, também, formar uma comunidade de discussão online. Eu – e depois o meu amigo Eduardo Souza – escrevia sobre temas filosóficos e políticos, que iam da possível inexistência do mundo exterior até a notas sobre a legislação do porte de armas de fogo. Tudo isso era novidade para mim, e eu encarava com bastante entusiasmo o desafio de escrever sobre o que me era desconhecido. E, por um tempo, o projeto deu certo. Principalmente em 2010, quando o Animus Mundus teve um boom de visitas e foi indicado à categoria de “melhor blog do ano” – mas não que isso tenha tido qualquer importância para mim.

Continue reading “Retorno ao Animus Mundus”