(51)

alberto giacometti-02

Há um sentimento vago de inquietação rodopiando pelo meu sangue. Parte de uma bomba hemólica descompassada, serpenteia em tubos tortos e vacilantes, infiltra finas redes e se deposita em toda sorte de fibra. Não é angústia, é o saber de quem faz sem saber, que dá o corpo ao fato enquanto a mente passeia pela possibilidade. Que sabe que crê em ilusões mas as sente como real. E sabe do real, tão diferente da ilusão, mas é incapaz de acariciá-lo com a sensação. Esse sentimento não se deixa corporificar em palavras, e quando elas saem, não flutuam por si só: já nasce seca, árida, areia, pedra, rocha, penhasco, precipício, abismo. Desaba mesmo no chão da boca. Nunca é, apenas está. Não se corporifica nem em vento, tampouco em corpo. Tudo é torto, mas nem por isso deixamos de seguir os caminhos, ninguém sabe se por medo ou teimosia, de tentar, falhar, tentar, sentar, falhar, até enfim levantar da cama. Bênção ou desgraça?

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s